sexta-feira, 19 de março de 2010

Funeral Blues (W.H. Auden) - Fragmento

Parem todos os relógios e cortem os telefones
Evitem o latir do cachorro com um osso suculento
Silenciem os pianos e, com tambores surdos, tragam o caixão
Deixem as carpideiras virem

[...]

As estrelas não são desejadas agora,
apaguem todas, empacotem a lua e
desmontem o sol
Deságuem o oceano e varram as árvores
Pois agora nada mais servirá

2 comentários:

Nana Gomes disse...

O luto permanece até que a alma esteja preparada para prosseguir... O corpo, de repente por ser efêmero, cura-se mais rapidamente. A alma, de repente por ser eterna, sente a dor para sempre. Mas todo fim é sinal de um novo começo.
Que os caminhos sejam seguidos pelos motivos certos e que levem ao lugar certo... Nem a morte representa um final contundente. Nenhum acabar significa que o amor não permanece dentro de nós...
O que é a vida senão uma sucessão de mortes com nascimentos logo após.

Nana Gomes disse...

Achei que você tivesse tirado esse post do blog...